Estado da Bahia anuncia novo concurso para professor e coordenador pedagógico com mais de 2 mil vagas

O Estado da Bahia publica na terça-feira (2) o edital de concurso público para a Secretaria da Educação (SEC), com a oferta de 2.113 vagas para professores e coordenadores pedagógicos da rede estadual. A publicação poderá ser consultada no Diário Oficial do Estado (DOE), no Portal do Servidor e no site da organizadora do certame, a Fundação Carlos Chagas.

As inscrições deverão ser realizadas de 3 a 30 de agosto, de acordo com as regras do edital, e a taxa de inscrição é no valor de R$ 140. Poderão concorrer às vagas de professor candidatos com ensino superior, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), das áreas de Arte, Biologia, Educação Física, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Inglesa, Língua Portuguesa, Matemática, Química e Sociologia.

Entre os coordenadores pedagógicos também é exigida formação superior, sendo possível aos candidatos indígenas submeterem inscrições às vagas ofertadas para as Escolas Indígenas. Ao final do certame, os nomeados cumprirão carga horária de 40 horas semanais.

O NTE 26 e o NTE 04, que correspondem à Área Metropolitana de Salvador e à Região do Sisal, com 31 municípios ao todo, registram a maior número de vagas: 349 para professor e 106 para coordenador pedagógico.

No ato da inscrição, será necessário informar o código do cargo/disciplina, o Núcleo Territorial de Educação (NTE) pretendido e a cidade para realização das provas. Aqueles que concorrerem às vagas para coordenador pedagógico de Escolas Indígenas precisam também informar nome da escola, do município e etnia, de acordo com os Anexos III e IV do edital.

Será considerada válida uma inscrição por CPF, com a apresentação de informações verídicas. A submissão é efetivada pelo pagamento da taxa até o dia 30 de agosto, dentro do expediente bancário, observando o horário de Brasília.

Provas – O concurso será realizado em três etapas. As duas primeiras, ambas de caráter habilitatório e classificatório, serão realizadas no dia 06 de novembro, período da manhã, nas seguintes cidades:

 Alagoinhas
 Amargosa
 Barreiras
 Bom Jesus da Lapa
 Caetité
 Eunápolis
 Feira de Santana
 Ipirá
 Irecê
 Itaberaba
 Itabun
 Itapetinga
 Jacobina
 Juazeiro
 Jequié
 Macaúba
 Paulo Afonso
 Ribeira do Pombal
 Salvador
 Santa Maria da Vitória
 Seabra
 Serrinha
 Santo Antônio de Jesus
 Senhor do Bonfim
 Teixeira de Freitas
 Valença
 Vitória da Conquista.

As provas objetivas terão 50 questões para o cargo de professor e 40 para o cargo de coordenador pedagógico, além da prova discursiva que abordará conhecimentos gerais, conhecimentos específicos e conhecimentos interdisciplinares, a depender do cargo. A prova de títulos, de caráter classificatório, será aplicada aos habilitados na segunda etapa do certame de acordo com o previsto em edital.

Por conta da pandemia, para fins de prevenção e controle da disseminação da Covid-19, a aplicação das provas seguirá critérios de segurança sanitária. O não cumprimento destes pelo candidato implicará na sua retirada do local de provas e exclusão do concurso público. Desta forma, deverá ser mantido o distanciamento social, uso de álcool em gel a 70% e consumo de água de forma individualizada, sempre em embalagens de material transparente, bem como o uso da máscara e a comprovação do esquema vacinal completo e atualizado, como previsto na legislação vigente.

O resultado final do concurso, bem como de todas as suas etapas e informações complementares, serão divulgados no site da FCC e também no Portal do Servidor. Vale ressaltar que ainda há a reserva de 5% das vagas destinadas a candidatos deficientes e 30% para aqueles que se autodeclararem negros.

O concurso terá validade de um ano, podendo se prorrogado apenas uma vez, por igual período. Outras informações, como conteúdo programático e cronograma provisório, deverão ser consultadas no edital.

Com terraplanagem em andamento, indústria de calçados deve gerar 1.000 empregos em Valente

Em ritmo acelerado está o andamento da terraplanagem da área para implantação do novo galpão da Empresa Lia Line, que terá capacidade para geração de mais 1.000 empregos diretos em Valente. A obra é realizada pela Prefeitura Municipal com recursos próprios. A construção do novo galpão, de 7.200 m², está sendo possível mediante uma parceria da empresa com a gestão municipal, fruto de uma articulação do Prefeito Ubaldino Amaral, que, preocupado com a geração de emprego e o fomento à economia do município, procurou os executivos da empresa com o objetivo de contribuir para a abertura de novas oportunidades de trabalho para a população.

O Prefeito Ubaldino Amaral comemorou o andamento da obra. “Estamos caminhando para cumprir mais uma de nossas promessas de campanha, que é a de geração de emprego e renda. A vinda de mais essa indústria é de uma importância fundamental. Além dos atuais 600 empregos, que serão mantidos, essa nova indústria gerará, no total, 1.600 empregos e fomentará a renda de muitas famílias, contribuindo assim para o crescimento econômico de Valente e da região. É um avanço muito grande para nosso município que será destaque não só nesta região, mas em todo o nosso Estado. Nossos irmãos valentenses terão mais oportunidades de emprego em sua terra, não precisarão se deslocarem para grandes centros em busca de trabalho”. Pela parceria, a prefeitura, com a aprovação da Câmara de Vereadores, celebrou cessão de uso do terreno e, como contrapartida, está executando a preparação do terreno que receberá a construção do novo galpão, a ser iniciada ainda neste semestre, logo após a conclusão desta primeira fase.

Através do Senar, curso de fabricação de licor é realizado em Teofilândia

Um curso de fabricação de licor foi realizado em Teofilândia, através do Senar – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – e do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Serrinha, a capacitação ocorreu no dia 22 de junho, no centro da cidade, os moradores contemplados pelo curso foram da comunidade de Rocinha, zona rural do município.

O mobilizador responsável em trazer o curso para a cidade, Nailton Pereira, mais conhecido como Obreiro Nailton, falou sobre a importância da ação, que contou também com a presença de Maria José Lopes de Araújo, presidente do Sindicato de Produtores de Serrinha e do delegado da Faeb – Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia, Josenaldo Luiz.

“Para mim, foi uma alegria poder contribuir e somar com o município para dar oportunidade de crescimento e desenvolvimento para todas essas pessoas que participaram”, comentou Nailton.

15 pessoas participaram do curso, que durou três dia. O Licor é uma bebida alcoólica muito comercializada durante os festejos juninos.

Bahia tem mais beneficiários do Auxílio Brasil do que empregados com carteira assinada

A Bahia é um dos 12 estados brasileiros que tem mais beneficiários do programa Auxílio Brasil do que empregados com carteira assinada. Os dados foram publicados pelo site Poder 360 com base em informações obtidas pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregado (Caged) e do Ministério da Cidadania do mês de fevereiro de 2022.

Segundo a pesquisa, a Bahia em fevereiro tinha 1.821.479 trabalhadores da carteira assinada, enquanto de beneficiários do Auxílio Brasil o número é de 2.211.315. Ainda segundo o levantamento, a Bahia é o segundo estado com maior número de beneficiários perdendo apenas para São Paulo, que tem 2.225.382.

O levantamento considera os 41 milhões de trabalhadores formais que têm a carteira de trabalho assinada. Há, no entanto, um contingente grande de trabalhadores informais e/ou sem carteira assinada. O estudo mostra que todos os Estados onde o número de beneficiários do Auxílio Brasil supera o de empregados com carteira estão nas regiões Norte e Nordeste.

Governo anuncia MP para regulamentar trabalho remoto e controle de jornada

O governo anunciou nesta sexta-feira (25) um pacote de medidas para regulamentar o trabalho remoto no país, além de mudanças no auxílio-alimentação.

De acordo com o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, duas medidas provisórias irão definir as regras para a modalidade no país. “Aprendemos ao longo da pandemia um outro potencial a ser explorado no trabalho remoto no Brasil. Estabelecemos que, através de acordos individuais, entre o empregador e o colaborador, abrimos amplo caminho para modernidade se instale”, disse ele durante cerimônia no Palácio do Planalto.

Segundo o ministro, a medida também dá “espaço preferencial” para que mães e pais de crianças pequenas trabalhem remotamente. Ele não detalhou como isso se dará. 

O texto também trata de medidas para trabalhadores em locais em situação de calamidade. A medida permitirá que os governos locais tomem medidas rápidas, como instalação do regime de teletrabalho, a antecipação de férias, o aproveitamento e antecipação de feriados e o saque adiantado de benefícios.

No mesmo evento, o governo também lançou o Caminho Digital, programa para capacitação em habilidades digitais, em parceria com a Microsoft Brasil. De acordo com Lorenzoni, a iniciativa vai oferecer 48 cursos online para mais de cinco milhões de pessoas.
 

PROGRAMA RENDA E OPORTUNIDADE
 

Atrás nas pesquisas eleitorais, com a economia desaquecida, inflação em alta e maior taxa de juros em cinco anos, o presidente Jair Bolsonaro (PL) lançou o programa de “bondades” na intenção de injetar R$ 165 bilhões na economia.

Foram anunciadas quatro medidas: antecipação do 13º salário de aposentados e pensionistas, saques extraordinários de até R$ 1 mil do FGTS, além de oferta de microcrédito digital e ampliação da margem de empréstimo consignado. 

Em janeiro, Bolsonaro também assinou uma MP que cria um programa para oferecer trabalho temporário em prefeituras, sem carteira assinada, e cursos de qualificação. Quem participar do chamado Programa Nacional de Serviço Civil Voluntário receberá, em troca, pagamento do salário mínimo por hora (atualmente, de R$ 5,51), o que o governo chama de bolsa, e seguro de acidentes pessoais. O auxílio-transporte será opcional.

Trabalhador formal está há três anos sem ganho salarial real, diz pesquisa

A combinação de desemprego elevado, atividade econômica morna e disparada da inflação tornaram piores as condições para as negociações de reajuste salarial em 2021. No ano passado, os trabalhadores formais completaram três anos sem ganho real, quando o aumento supera a inflação do período anterior, segundo o boletim Salariômetro divulgado nesta quarta (26) pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).
 

A variação mediana em 2021 ficou negativa em 0,1% -nos dois anos anteriores, ficou em zero. A mediana é uma forma de cálculo adotada para evitar distorções com a inclusão de valores muito altos ou muito baixos, o que ocorre no cálculo das médias, por exemplo. Usa-se então o maior valor entre os menores, e o menor, entre os maiores.
 

Para o coordenador do Salariômetro, professor Hélio Zylberstajn, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, o resultado de 2021 poderia ter sido ainda pior diante das condições da economia e do mercado de trabalho.
 

“Nos outros anos, a inflação era mais baixa, mas em 2021 foi brutal. Levando isso em conta, não foi tão ruim quanto poderia ter sido”, diz.
 

Na média do ano passado, somente 18,6% dos acordos e convenções fechados resultaram em aumentos maiores do que a inflação dos 12 meses anteriores ao da data-base. Em 2019, o último ano do pré-pandemia, quase metade das negociações terminou com ganho real para os trabalhadores.
 

Além dos reajustes baixos, o Salariômetro também registrou um aumento nos acordos e convenções que previram o pagamento escalonado dos índices de reajuste. “Isso quase não aparecia antes da pandemia e salta em alguns momentos, dependendo do número de categoriais que fecharam negociação. O reajuste vem pequeno e ainda é pago parcelado”, diz
 

Zylberstajn destaca ainda a adoção de tetos para a aplicação de reajustes. Isso pode ser usado tanto para definir uma faixa salarial a ser corrigida, quando o aumento só é aplicado a uma parcela do salário, quanto para limitar quem terá o direito ao ajuste.
 

As negociações fechadas em dezembro previram esse mecanismo em 16,4% dos casos. Em novembro, o teto estava em 36,5% dos acordos; e em setembro, 27,7%.
 

O escalonamentos dos reajustes, o teto para aplicação do aumento e os índices que mal compensam a deterioração do poder de compra são indicativos de negociações mais tensas entre patrões e empregados, diz o pesquisador da Fipe.
 

“Mais complicadas porque as empresas não conseguem repassar esse nível de inflação aos seus produtos e serviços. Quando a economia está mais dinâmica, tudo bem, mas não é o caso agora. O poder de barganha dos sindicatos fica reduzido.”
 

O piso dos salários foi para R$ 1.332 em 2021, uma variação de 4,5% ante o ano anterior. Benefícios fixos, como vale-refeição e vale-alimentação, praticamente não mudaram de um ano para o outro. O primeiro ficou estável em R$ 22, enquanto o segundo passou de R$ 275 para R$ 280, variação de 1,8%.
 

A inflação dos alimentos, segundo o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), ficou em 7,71%. O INPC é calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e considera o efeito da variação de preços sobre as famílias com renda de até cinco salários mínimos. O índice é o mais usado nas negociações salariais.
 

Por setor econômico, aquele com maior defasagem entre o percentual de reajuste mediano e a inflação pelo INPC foi o de serviços. Responsável por cerca de 70% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, o segmento foi um dos mais afetados pelas restrições impostas pela pandemia, como fechamento de bares, restaurantes e hotéis.
 

Segundo o Salariômetro, a diferença para os trabalhadores desse setor ficou em 38,9%. Por região do país, na Nordeste os empregados formais receberam o menor reajuste mediano, de 5%, e tiveram a maior variação negativa em relação ao INPC, de -39,4%.
 

Para este ano, o coordenador do Salariômetro aposta em negociações melhores a partir do segundo semestre, quando a inflação deve iniciar trajetória de queda. Projeções dos bancos Santander e Itaú apontam para um INPC em 10,2% e 10,1%, respectivamente, em maio deste ano.
 

“Com o INPC acumulado em dois dígitos, não há espaço para ganho real. Mesmo assim, esse será mais um ano complicado, de eleições e juros em elevação. A situação não é boa para os trabalhadores.”

Entra em vigor o novo salário mínimo de R$ 1.212

Começou a valer, neste sábado (1º), primeiro dia do ano de 2022, o novo valor do salário mínimo no Brasil, que passa a ser de R$ 1.212 por mês. A mudança foi oficializada ontem (31), último dia de 2021, por meio de uma medida provisória (MP) assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.

O novo valor considera a correção monetária pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC) de janeiro a novembro de 2021 e a projeção de inflação de dezembro de 2021, estimada pela área técnica do Ministério da Economia. No total, o aumento será de 10,18% em relação ao valor anterior, que era de R$ 1.100.

Os estados também podem ter salários mínimos locais e pisos salariais por categoria maiores do que o valor fixado pelo governo federal, desde que não sejam inferiores ao valor do piso nacional. O novo mínimo altera o valor de cálculo de benefícios previdenciários, sociais e trabalhistas.

No caso das aposentadorias e pensões por morte ou auxílio-doença, os valores deverão ser atualizados com base no novo mínimo. O mesmo vale para o Benefício de Prestação Continuada (BPC), que corresponde a um salário mínimo e é pago a idosos a partir de 65 anos e pessoas com deficiência de baixa renda.

Cálculos das contribuições dos trabalhadores ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) também serão reajustados. Uma portaria do Ministério da Economia deverá ser publicada, nos próximos dias, com a oficialização dos novos valores.

Brasil tem recorde de 30,2 milhões de pessoas recebendo até um salário mínimo

O Brasil tem 30,2 milhões de pessoas sobrevivendo com até um salário mínimo, o recorde histórico de brasileiros nessa condição Os números integram um estudo elaborado pela consultoria IDados, com base nos indicadores da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do segundo trimestre, e foram divulgados pelo portal G1.

A quantidade de brasileiros que possuem uma renda mensal de até R$ 1,1 mil, neste momento, é um pouco maior do que toda a população da Venezuela. Proporcionalmente, 34,4% dos trabalhadores no país recebem até um salário mínimo, também considerado o patamar mais alto já apurado desde a série histórica, em 2012.

Nesse sentido, a pesquisa revela que os brasileiros podem até conseguir algum tipo de trabalho, seja na informalidade ou como conta própria, mas estão sendo mal remunerados. Essa realidade piora ainda mais porque o orçamento das famílias tem sido consumido pela alta de alimentos, energia elétrica e combustível: no acumulado de 12 meses, a inflação já está próxima de 10%.

Ainda de acordo com a pesquisa, uns grupos são mais prejudicados que outros nesse contexto de crise. Dos 30,2 milhões que recebem até um salário mínimo, 20 milhões são pessoas de pele preta ou parda. Percentualmente, esse número representa 43,1% dos brasileiros negros.

Fundação Victor Dequech oferece vagas para a 2ª turma do curso de capacitação em Teofilândia

Após a primeira turma ser formada, a Fundação Victor Dequech, em parceria com a Prefeitura de Teofilândia através da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, abriu vagas para a segunda turma do curso “Fundamentos para o Desenvolvimento e Capacitação para Atuação em Pesquisa Mineral (Auxiliar de Amostragem, Auxiliar de Sondagem e atividades afins)”. As aulas estão acontecendo no Centro Educacional Rafael Lopes de Araújo (CERLA), no centro da cidade.

As inscrições poderão ser realizadas pela internet pela página: fvd.org.br/inscricao

Os candidatos que tiverem o perfil compatível com o objetivo do curso serão convocados para participar do processo seletivo, cuja data será informada posteriormente. O curso será realizado em Teofilândia/BA. As inscrições são gratuitas e as vagas são limitadas.

O curso de capacitação terá carga de 80 horas (duas semanas), incluindo aulas nas manhãs de sábado. A Fundação Victor Dequech – FDV, concederá ao participante do curso um certificado e uma bolsa de estudo no valor de R$ 400,00, condicionado à sua participação efetiva e ininterrupta do curso.

A fundação também informou que todos os protocolos e medidas preventivas de controle contra a Covid-19 serão respeitados.

Fundação Victor Dequech oferece curso de capacitação em Teofilândia; participante receberá uma bolsa de estudo no valor de R$ 400,00

A Fundação Victor Dequech, em parceria com a Prefeitura de Teofilândia através da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, está promovendo o curso “Fundamentos para o Desenvolvimento e Capacitação para Atuação em Pesquisa Mineral”.

As inscrições poderão ser realizadas pela internet pela página: fvd.org.br/inscricao

Os candidatos que tiverem o perfil compatível com o objetivo do curso serão convocados para participar do processo seletivo, cuja data será informada posteriormente. O curso será realizado em Teofilândia/BA. As inscrições são gratuitas e as vagas são limitadas.

O curso de capacitação terá carga de 80 horas (duas semanas), incluindo aulas nas manhãs de sábado. A Fundação Victor Dequech – FDV, concederá ao participante do curso um certificado e uma bolsa de estudo no valor de R$ 400,00, condicionado à sua participação efetiva e ininterrupta do curso.

A fundação também informou que todos os protocolos e medidas preventivas de controle contra a Covid-19 serão respeitados.

Top